segunda-feira, junho 16, 2008

Teoria Política em Max Weber

Em sua teoria política Max Weber utilizou tipos ideais de diferentes níveis, tais como o capitalismo, a burocracia e os fundamentos da legitimidade. Para o pensador alemão, o capitalismo é definido pela existência de empresas cujo fim é a obtenção do maior lucro possível, e cujo meio é a organização racional da produção. A burocracia é a organização permanente da cooperação entre indivíduos, que executam tarefas especializadas de forma impessoal. A vida é racionalizada tanto pela ciência quanto pelo empreendimento capitalista e burocrático, em um processo de “desencantamento do mundo”, no qual as organizações anônimas e as relações impessoais podem massacrar a liberdade individual, seja pelo caminho capitalista ou pelo socialista. Neste sentido, Max Weber faz uma crítica ao pensamento político do século XIX, com uma boa dose de realismo.

Entre as suas reflexões mais debatidas está a que versa sobre a influência da religião sobre a conduta humana, sobretudo a econômica. Mesma questão levantada por Tocqueville, vale observar, com verniz mais político para o francês. Em A Ética Protestante e o “Espírito” do Capitalismo, Weber estuda o capitalismo não como um modo de produção, mas como uma cultura cujos elementos essenciais possuem afinidade com os fundamentos morais da tradição protestante puritana. O comportamento ascético do protestante se manifesta como um trabalho racional, executado em vista do lucro, desapegado dos bens materiais e que, portanto, resulta na acumulação necessária ao desenvolvimento do capitalismo. Assim como em Tocqueville e em Montesquieu, não há unilateralidade causal. O sistema de crenças influencia e é influenciado pelo sistema econômico.

4 comentários:

Anônimo disse...

interessante!!!

Anônimo disse...

muuuuuuuito bOm pArAbEnS ;p!!!!!'1

Anônimo disse...

AMEEEEEEEEEI DEMAIS :B LINDUUU

Anônimo disse...

mt boum...
amei!!!
bjoks